SÃO JOSÉ DO RIO PARDO E REGIÃO – ANO 34



Usina de O2 abastece Pronto Socorro Municipal e hospital de campanha

17/04/2021

Compartilhar



Sem dúvida, um grande marco no enfrentamento a Covid-19 em São José do Rio Pardo.


O aumento do número de casos da doença, oriundos da nova cepa, que também gera maiores complicações aos acometidos pela doença, acabou gerando um aumento exponencial do uso de oxigênio.


A necessidade de mais leitos gerou a abertura de um hospital de campanha com mais 10 leitos para pacientes com Covid-19, como mostrou este DEMOCRATA em edição anterior.


O consumo de oxigênio, por outro lado, aumentou exponencialmente. A capacidade de produção no estado de São Paulo está esgotada, próxima de seu limite.
A usina, locada pela prefeitura, tem capacidade para suprir o Pronto Socorro e o hospital de campanha, diariamente. Mesmo lotados, os pacientes não sofrerão falta de oxigênio em seus tratamentos.


A usina capta o ar atmosférico através de quatro motores, o resfria através de um condensador (como um radiador de automóvel) e o compressor faz o ar pessar por peneiras físicas e químicas que separam todos os demais gases e os liberam, armazenando nos tanques apenas o oxigênio.


A usina produz oxigênio e o armazena em duas linhas distintas, uma que vai ao tanque maior, com 270 metros cúbicos e outra que se divide em tanques secundários, mais 30 metro cúbicos, totalizando 300 metros cúbicos de armazenamento.


Segundo a Prefeitura, um paciente entubado consome, em média, de 4 a 5 litros de O2 por minuto.


A usina está locada para o município por seis meses, e segundo o Secretário de Saúde Dr. Paulo Eduardo Gonçalves Boldrin, representa não só segurança como uma enorme economia para os cofres públicos.


Segundo o secretário, o prefeito já está trabalhando para adquirir uma usina própria para o município até o final do ano, com maior capacidade de produção e armazenamento. Com a usina própria, o município poderá também recarregar cilindros para pacientes que fazem uso domiciliar de O2.


Antes da usina, quando o oxigênio acabava nos cilindros era necessário que o servidor público Fernando Catalano fosse chamado para a substituição, muitas vezes de madrugada. Essa substituição, com a usina, acaba.


O fornecimento constante de oxigênio traz estabilidade para o tratamento sendo um elemento a menos de desassossego diante da pandemia.


A capacidade de recarga de cilindros de oxigênio está esgotada no estado de São Paulo, havendo risco concreto de desabastecimento em alguns casos.
Com a usina São José do Rio Pardo e Caconde são as únicas cidades da região a fazer uso da tecnologia. 

Reportagem publicada originalmente na versão impressa de DEMOCRATA, edição 1662 de 10/4/2021, Pág. 7



Comentários


















Leia também:

Polêmica
Vereadores devem ajudar cidadãos, ex-cabos eleitorais que passem dificuldades?

São José do Rio Pardo
Trecho da Perimetral será recapeado vereador explica alterações

São José do Rio Pardo
Uma rua e trecho de outras duas serão recapeadas no Bela Vista

Religião
Rafal Kocian concita a que texto religioso lido seja de Chiara Lubich

Mais notícias…




Jornal Democrata
São José do Rio Pardo e Região
Whats 19 3608-5040
Tel.: 19 3608-5040

Siga-nos nas Redes Sociais

contato@jornaldemocrata.com.br