SÃO JOSÉ DO RIO PARDO E REGIÃO – ANO 34



O 7 de setembro que não acabou

12/10/2021

Compartilhar



Após décadas sob a égide de um governo militar e com liberdades fundamentais inexistentes por conta do Ato Institucional número 5, vivemos tempos de reabertura democrática.

Após anos sob o látego de um processo inflacionário que corroía nossas economias e nosso dinheiro, mais do que dia a dia, minuto a minuto, vivemos sob o Plano Real o começo de uma estabilidade econômica que durou até agora.

Em um brasil analfabeto, Paulo Freire desenvolveu um método de alfabetização para adultos que permitiu a milhares de brasileiros aprender a ler, incluindo-os neste mundo moderno.

Um brasileiro, Oswaldo Cruz, médico sanitarista, foi fundamental para o enfrentamento à doenças epidêmicas e para o desenvolvimento das vacinas e da vacinação.

Tudo isso aconteceu em período de tempo muito curto, se pensarmos em termos de história da humanidade: pouco mais de 500 anos.

Mesmo assim, apesar de tudo isso, encontramos brasileiros que defendem uma revolução militar, com supressão de órgãos judiciários e de garantias constitucionais. Paradoxalmente, os críticos mais histriônicos das liberdades, que fazem uso da liberdade para se manifestar de forma crítica, defendem o fim destas liberdades.

E brasileiros vem defendendo uma política econômica que está causando um novo processo inflacionário após décadas de estabilidade econômica. Agora, neste governo, é quando os brasileiros menos consumiram carne vermelha nos últimos 26 anos.

Em um Brasil que viu gerações aprenderem a ler com Paulo Freire, que lê mas que - por motivos ainda não totalmente esclarecidos pela ciência - não consegue interpretar textos, milhares criticam Paulo Freire (sem sequer conhecer seu método ou saber qualquer fato a respeito de sua vida) e defendem, com o apoio do próprio presidente da república, o direito a espalhar notícias falsas.

Em um Brasil que desenvolveu vacinas e que conseguiu erradicar doenças com campanhas de vacinação, milhares de pessoas se colocam, sem qualquer razão lógica, contra vacinas. Recusam-se vacinar e trabalham para outros não se vacinem, em plena pandemia de Covid-19.

O que querem os brasileiros que foram às ruas no último 7 de setembro?

Vivemos dias de um progresso tecnológico nunca antes visto na história conhecida da humanidade.

Temos em mãos condições de nos comunicar com todo o mundo, sem figura de linguagem, e de receber comunicação de todo o mundo, salvo talvez os países comunistas como China e Coreia do Norte.

Ainda assim, mesmo assim, uma enorme quantidade de brasileiros refuta a ciência, refuta a lógica, se coloca contra nomes de ideias ou conceitos nominais de ideais que sequer compreendem. Pedem um governo militar, sem liberdades.

Se colocam contra vacinas e contra a vacinação, repise-se, em plena pandemia.

Mesmo com fatos claramente indicando uma realidade, insistem em defender, de forma absurda, mentiras, ilusões e fake news sem qualquer nexo com a realidade objetiva.

Assistir Cristãos confessos odiando outros e expressando esse ódio em nome de Cristo é um episódio particularmente bizarro de tudo isso. O 7 de setembro de 2021 não acabou. Somente mostrou um problema de solução tão complexa quanto a compreensão de suas causas.
 



Comentários


















Leia também:

Nacionais
Vice-prefeito é detido após invadir casa da ex-esposa em Guaxupé

São José do Rio Pardo
Fundação Educacional participa de etapa de debates da CONAE 2022

Caconde
Rua Alonso Leonel de Paiva está interditada. Por tempo indeterminado

Policiais
Delivery de maconha causa prisão no bairro Morro Azul em Mococa

Mais notícias…




Jornal Democrata
São José do Rio Pardo e Região
Whats 19 3608-5040
Tel.: 19 3608-5040

Siga-nos nas Redes Sociais

contato@jornaldemocrata.com.br