SÃO JOSÉ DO RIO PARDO E REGIÃO – ANO 34

A ressurreição de Cristo: evidências e importância

14/10/2020 - Thiago da Silva Vieira

“Por que buscais entre os mortos aquele que vive? Ele não está aqui, mas ressurgiu. Lembraivos de como vos falou, estando ainda na Galileia.” Lc 24: 5-6 A declaração do anjo sobre a ressurreição de Cristo é o tema central de nossa fé, é onde está alicerçada a nossa esperança, nosso futuro e nossa salvação. A ressurreição de Cristo é o evento mais importante da história. O ponto principal da história da redenção. É o alicerce de nossa fé. A morte de Cristo só tem valor com a sua ressurreição. Um salvador morto não pode salvar ninguém. Isso significa que “Negar a Ressureição de Cristo é negar a salvação”. Essa verdade essencial do Evangelho tem sofrido durante toda a história da igreja um grande ataque de Satanás, através de homens que tentaram negar as evidências e provar que a ressurreição de Cristo é um mito. Muitos disseram que Jesus Cristo não chegou a morrer na cruz, mas que apenas desmaiou, e que ao ser colocado no túmulo reanimou-se. Mateus afirma ue os líderes judeus inventaram que os discípulos haviam roubado o corpo de Jesus (Mt 28:12-13). Outros em suas tentativas de acabar com a esperança dos crentes, afirmaram que as mulheres foram ao túmulo errado. Porém, há bastantes evidências da ressurreição de Cristo. Veremos algumas delas. 1. Testemunhas oculares: Jesus Cristo, após ressuscitar apareceu a Maria Madalena, às mulheres, a Pedro, aos dois discípulos no caminho de Emaús, aos apóstolos sem Tomé, aos apóstolos com Tomé, aos sete apóstolos no Mar da Galileia, a uma multidão de 500 irmãos, a Tiago, a Paulo, a Estêvão e a João na Ilha de Patmos. 2. Homens morreram sem negarem a ressurreição: mártires de toda a história da igreja morreram por crerem e defenderam esta verdade, foram para a morte glorificando a Deus (ninguém morreria por uma mentira). 3. A honestidade dos evangelistas ao relatarem o evento: Marcos e Mateus nos mostram que os discípulos não deram crédito quando receberam a notícia sobre ressurreição de Cristo. Isso mostra a transparência e a honestidade dos evangelistas em anunciar o que realmente aconteceu. Os discípulos não deram crédito, e Jesus os repreendeu por isso. Se fosse uma história inventada, eles não diriam isso em um livro tentando criar uma mentira, fariam o contrário, diriam que todos creram. “e ouvindo eles que vivia, e que tinha sido visto por ela, não o creram. Depois disso manifestou-se sob outra forma a dois deles que iam de caminho para o campo, os quais foram anunciá-lo aos outros; mas nem a estes deram crédito.” Mc 16:11-13 “Quando o viram, o adoraram; mas alguns duvidaram.” Mt 28: 17. As primeiras testemunhas não eram dignas de crédito naquela cultura. A primeira a chegar no túmulo e avisar aos outros foi uma mulher. Mulheres não tinham muito valor em serem testemunhas naquela cultura. Os evangelistas relatam que Jesus apareceu primeiro a Maria Madalena, que era uma mulher a qual Jesus expelira sete demônios. Uma Mulher e ex-endemoniada quem daria crédito? Se fosse uma mentira eles usariam meios mais eficazes para a divulgação. 4. As Escrituras Sagradas: a Bíblia é a palavra de Deus autoritária, inerrante e infalível. O que está Escrito é o que Deus disse. E o que Deus disse é a verdade que é digna de crédito e toda aceitação, que deve ser crida e vivida. As Escrituras Sagradas afirmam que Cristo ressuscitou. At. 2:24; Sal. 16:10; Luc. 24:39; Rom. 6:9; Apoc. 1:18; João 2:19, e 10:18; Rom. 1:4 e 8:33-34; Heb. 2:14; Rom. 14:9; 1 Cor. 15:21-22; Ef. 1:22-23; Rom. 4:25; Ef. 2:5-6; 1 Cor. 15:20, 25-25; 1 Tess. 4:14. Aqueles que negam a ressurreição de Cristo, negam a inspiração bíblica. Eles precisam demonstrar por qual padrão eles negam a ressurreição, como chegaram a essa certeza, e se esse padrão é confiável e inerrante. Negar a ressurreição de Cristo é rejeitar a Esperança da salvação. Não crer que Cristo ressuscitou é viver sem esperança nesse mundo. Em 1 Co 15, Paulo explica em detalhes a importância da ressurreição de Cristo: “14 E, se Cristo não foi ressuscitado, logo é vã a nossa pregação, e também é vã a vossa fé. 15. E assim somos também considerados como falsas testemunhas de Deus que ele ressuscitou a Cristo, ao qual, porém, não ressuscitou, se, na verdade, os mortos não são ressuscitados. 16. Porque, se os mortos não são ressuscitados, também Cristo não foi ressuscitado. 17. E, se Cristo não foi ressuscitado, é vã a vossa fé, e ainda estais nos vossos pecados. 18. Logo, também os que dormiram em Cristo estão perdidos. 19. Se é só para esta vida que esperamos em Cristo, somos de todos os homens os mais dignos de lástima.” 1 Coríntios 15: 14-19. Alguns, na igreja de Corinto não acreditavam na ressurreição dos mortos, e nesse capítulo Paulo lista seis consequências terríveis, caso a ressurreição de Cristo não tivesse o corrido: 1. Pregar sobre Cristo seria em vão (v.14): pregar uma mensagem sem valor eterno não tem nenhuma utilidade. Prometer o que não pode ser cumprido é mentir em nome de Deus. 2. A fé em Cristo seria em vão (v.14): viver de acordo com a Palavra de Deus seria perder tempo. Orar, ler a Bíblia, ir aos cultos, louvar a Deus, tudo isso seria desperdício inútil. 3. Todas as testemunhas e pregadores do evangelho seriam mentirosos (v.15): quando pregássemos o Evangelho, estaríamos pregando uma mensagem mentirosa, enganando as pessoas e tornando-as iludidas. Elas estariam animadas, cheias de esperança, porém condenadas. 4. Ninguém poderia ser redimido do pecado (v.17): se Cristo não ressuscitou todos os crentes continuariam culpados e condenados por seus pecados e quando morressem iriam para o inferno. A ressurreição de Cristo é a prova que Deus aceitou a morte de Cristo como pagamento da nossa dívida. 5. Todos os cristãos que morreram teriam perecido (v.18): se Cristo não ressuscitou todos os crentes que morreram estariam perdidos eternamente. 6. Os Cristãos seriam os mais infelizes de todos os homens (v.19): seria inútil lutar contra o pecado. Buscar a santificação seria privar-se dos deleites do pecado que esse mundo oferece. Seríamos infelizes nesta vida e na eternidade, pois, deixaríamos de satisfazer a nossa carne sem proveito eterno algum. Ou seja, toda a vida Cristã seria sem valor. Mas, graças a Deus, Cristo ressuscitou dos mortos e é “as primícias dos que dormem” (v.20), assegurando-nos de que o resultado de sua ressurreição será a nossa ressurreição futura para a glória celestial (1 Co 15: 20). Você crê? Por Thiago da Silva Vieira



Mais artigos de Thiago da Silva Vieira

Mais notícias

Mais notícias…

Jornal Democrata
São José do Rio Pardo e Região
Whats 19 3608-5040
Tel.: 19 3608-5040

Siga-nos nas Redes Sociais