SÃO JOSÉ DO RIO PARDO E REGIÃO – ANO 34

Machismo mata!

09/01/2021 - Maria Betânia dos Santos Chaves

Quinta-feira, 24 de dezembro de 2020, Thalia Ferraz (23 anos de idade) foi morta pelo ex-companheiro na frente de seus familiares, entre eles os sobrinhos de 14 e 8 anos, em Jaraguá do Sul, no Norte de Santa Catarina; Aline Arns (38 anos) foi morta a tiros pelo ex-companheiro, que logo em seguida se suicidou, em Forquilinha (SC); Márcia Lanzane (43 anos) foi empurrada pelo filho durante uma discussão, bateu a cabeça e veio a óbito, no Guarujá (SP); Simone Gomes (41 anos de idade) foi morta a facadas pelo ex-marido, em Passos (MG); Viviane Vieira do Amaral Arronenzi (45 anos de idade) foi morta a facadas pelo ex-marido, nesta véspera de Natal, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, na frente das filhas gêmeas de 9 anos e uma de 12 anos de idade. Esses são alguns dos casos de feminicídio de que tive conhecimento e que se deram na véspera deste Natal. Casos que, ao ler os motivos e como se deram, causam perplexidade e indignação, bem como nos obriga a refletir como a violência pode estar mais perto do que imaginamos.


O cotidiano das mulheres no Brasil é marcado pela violência, desde o assédio moral e sexual e estupro, até o caso mais extremo, o feminicídio. Dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública revelam que 1.326 mulheres foram vítimas de feminicídio no ano passado (2019), um crescimento de 7,1% comparado ao ano anterior. Além disso, houve um estupro a cada oito minutos e 89,9% das mulheres foram mortas pelo companheiro ou ex-companheiro. A pesquisa ainda revela que houve um número muito maior de pessoas que presenciaram situações de violência e assédio contra mulheres nos últimos 12 meses.


O sentimento de posse, dominação, perda do controle e soberania sobre as mulheres são alguns dos motivos pelos quais os homens mais matam as mulheres no Brasil.


Um dos nomes supramencionados é de uma juíza de Direito do Estado do Rio de Janeiro, o que nos mostra que o feminicídio pode atingir todas as mulheres, independentemente da escolaridade ou classe social. Porém, de acordo com pesquisas recentes, mulheres com maior escolaridade tendem a procurar menos ajuda e apoio dos órgãos de proteção.


Nem mesmo a presença dos filhos intimidaram a ação de alguns desses agressores. É como se eles não tivessem nenhum pudor em cometer o crime, por não ter mais nada a perder, já que não possui mais o controle daquele “corpo-território”.


Homens que não aceitaram o fim de um relacionamento, homens que ameaçaram antes de cometer o crime, que planejaram o feminicídio, homens que se sentem donos e que se julgam no poder de decisão sobre a vida e a morte da mulher.


Temos que agir e reagir a tanta violência contra as mulheres, não silenciar e apoiar campanhas de conscientização, criação de órgãos e comissões de apoio às mulheres e vítimas de crime dentro das instituições públicas e privadas, criação de políticas públicas de prevenção e combate à violência de gênero.


Vivemos em uma sociedade extremamente patriarcal, conservadora, que ainda acha que a família, mesmo com base na violência, deve ser mantida a todo custo e sofrimento. Mas até quando vamos precisar perder nossas amigas, colegas, irmãs, mães e filhas para reagirmos? Toda vez que uma mulher morre vítima do patriarcado e do machismo, a sociedade toda perde.

Até quando?

 

Maria Betânia é bióloga, formada na FEUC e foi conselheira tutelar por mais de cinco anos em São José do Rio Pardo. Escreve sobre direitos humanos.


Mais artigos de Maria Betânia dos Santos Chaves

Mais notícias

Mais notícias…

Jornal Democrata
São José do Rio Pardo e Região
Whats 19 3608-5040
Tel.: 19 3608-5040

Siga-nos nas Redes Sociais