SÃO JOSÉ DO RIO PARDO E REGIÃO – ANO 34

Dez temas que desafiaram as mulheres em 2020 e que continuarão em pauta em 2021 - Parte II

23/01/2021 - Maria Betânia dos Santos Chaves

Em todo o mundo a pandemia de Covid-19 e a crise econômica global ameaçam reverter anos de progressos na igualdade de gênero.
Na semana passada apresentei aqui, 3 temas que desafiaram as mulheres no anos que passou e que continuarão desafiando em 2021.

Segue abaixo a continuação dos temas que preocupam mulheres e autoridades em todo o mundo.

4 – Educação de meninas
A Covid-19 obrigou muitas escolas a fecharem as portas para conter o avanço da pandemia, o que impactou a educação de milhões de crianças e adolescentes.
Em países do continente africano, grupos de defesa dos direitos das crianças temem que muitas meninas não voltem às escolas, prejudicando décadas de trabalho para reverter as desigualdades de gênero.
O fechamento de escolas colocou meninas em maior risco de sofrerem violência sexual e também de serem levadas a um casamento precoce, já que a pobreza, tornada ainda mais grave pelo isolamento social, forçou muitas famílias a ‘negociarem’ suas filhas para comprar itens básicos.
Muitos países já relatam um aumento no número de adolescentes grávidas e de casamentos precoces, aumentando a preocupação sobre a continuação da educação das meninas.

5 – Casamento infantil
A ONU previu que a pandemia levaria a 13 milhões de casamentos infantis a mais na próxima década, anulando anos de trabalho para exterminar esta prática. O aumento da pobreza faz com que muitas famílias casem suas filhas mais cedo.
Esse risco cresceu com o fechamento das escolas. Autoridades na Etiópia salvaram centenas de meninas dessa situação depois do encerramento das aulas. No Malawi, uma organização humanitária relatou um aumento de 350% nas ligações sobre casamento infantil ou forçado, durante o segundo trimestre.
Não custa lembrar: o Brasil é o quarto país no mundo em número de casamentos infantis.


6 – Mutilação genital feminina
Segundo a ONU, nesta nova década, cerca de dois milhões de meninas deverão sofrer a mutilação genital por causa da interrupção dos programas dedicados a exterminar a prática. Durante os meses da pandemia, um aumento no número de mutilações genitais em meninas foi relatado em países do Leste e do Oeste da África.
A pobreza intensificada pela Covid-19 é, em parte, responsável por isso. Familiares acreditam que podem conseguir melhores preços por uma filha que tenha sofrido a mutilação. Na Somália, circuncisadores iam de porta em porta oferecendo a prática durante os meses de isolamento social.
No Quênia, país que se comprometeu a eliminar a mutilação genital feminina até 2022, ativistas afirmam ter havido mutilações em massa, com desfiles de meninas nos centros das cidades e muitos presentes para elas.
No Egito, a imprensa internacional noticiou que um homem foi preso por permitir que um médico mutilasse suas três filhas, depois de enganá-las dizendo que elas receberiam a vacina contra a Covid-19.

7 – Aborto
A Polônia impôs a proibição quase total da interrupção da gravidez, levando a protestos em massa nas ruas do país.
Nos EUA, grupos que defendem o direito de escolha das mulheres temem que a chegada da juíza ultra-conservadora Amy Coney Barret à Suprema Corte possa levar a um retrocesso nos direitos conquistados pelas mulheres com a legislação de 1973, que legalizou a interrupção voluntária da gravidez em todo o país.
No Malawi, grupos religiosos poderosos se opõem a um projeto de lei que aliviaria as restrições ao aborto.
Em todo o mundo, as restrições à livre circulação, o fechamento de clínicas e serviços de saúde, congestionados por pacientes com Covid-19, tornaram ainda maiores as barreiras ao aborto para muitas mulheres.
No Brasil, grupos religiosos ultraconservadores e políticos de extrema-direita tentaram impedir uma menor de idade, vítima de violência sexual, de realizar um aborto previsto na legislação do país, tema que foi citado em um de meus artigos e que mobilizou grande parte dos ativistas.


Por Maria Betânia dos Santos Chaves.
 

Maria Betânia é bióloga, formada na FEUC e foi conselheira tutelar por mais de cinco anos em São José do Rio Pardo. Escreve sobre direitos humanos.


Mais artigos de Maria Betânia dos Santos Chaves

Mais notícias

Mais notícias…

Jornal Democrata
São José do Rio Pardo e Região
Whats 19 3608-5040
Tel.: 19 3608-5040

Siga-nos nas Redes Sociais