SÃO JOSÉ DO RIO PARDO E REGIÃO – ANO 34



Fórmulas sutis para alienar mulheres

13/02/2021 - por Maria Betânia dos Santos Chaves

Manterrupting, bropriating, gaslighting e mansplaining. Talvez você já tenha ouvido esses termos em rodas de conversas ou lido em redes sociais e sites voltados para a causa feminina. São, nada mais, que alguns dos termos criados para sinalizar o machismo nas relações e qualificar o comportamento masculino em relação a uma mulher em diferentes situações. Ao saber do significado, fica mais fácil que homens e mulheres conscientes se articulem para evitar situações frequentes pelas quais muitas mulheres passam. Então, vamos lá. Veja abaixo o significado desses termos.
Manterrupting
Manterrupting é quando um homem interrompe insistentemente uma mulher, de forma que ela não consiga falar ou completar sua frase. Essa prática é muito comum no mundo corporativo, onde mulheres não conseguem expressar suas opiniões por serem interrompidas pelos homens ao redor.
Não é de hoje que se sabe que, em muitos aspectos, os homens ainda buscam se sobressair em relação às mulheres. Entre as formas de demonstração de uma discriminação sutil, está o manterrupting, uma junção de man (homem) e interrupting (interrupção), que em tradução livre significa “homens que interrompem”.
Mansplaining
Quando um homem dedica seu tempo para explicar algo óbvio a uma mulher, de forma didática, como se ela não fosse capaz de entender. O termo é uma junção de “man” (homem) e “explaining” (explicar).
O mansplaining também inclui situações em que um homem tenta convencer que a mulher está errada sobre algo de que tem menos conhecimento que ela.
Bropriating
Quando um homem se apropria da mesma ideia já expressa por uma mulher, levando os créditos por ela. O termo é uma junção de “bro” (de brother, irmão, mano) e “appropriating” (apropriação). É algo que acontece muito em reuniões.
Gaslighting
A palavra traduz uma violência psicológica típica de relacionamentos tóxicos, em que o abusador distorce, mente e manipula a vítima até ela achar que enlouqueceu ou está equivocada sobre o assunto, sendo que está originalmente certa. É um jeito de fazer a mulher duvidar do seu senso de percepção, raciocínio, memórias e sanidade. No dia-a-dia algumas frases são características deste tipo de comportamento: “Você está exagerando”; “Pare de surtar”; “Não aceita nem uma brincadeira?”; “Você está louca”; entre outras. É um comportamento que afeta a todos, mas as mulheres são culturalmente vítimas mais fáceis.
Essa manipulação cruel pode ocorrer na convivência familiar, no trabalho e nas amizades. Além disso, ela não é exclusiva a um gênero.

O machismo está mais enraizado do que imaginávamos, aparentemente alguns homens não se dão conta do que fazem, nem sempre é de propósito. Muitos apoiam as causas femininas, admiram mulheres que estejam fazendo isso, curtem demais esse movimento, até mesmo comentam e parabenizam, mas ainda assim existem resquícios machistas em seus comportamentos.
Esse mesmo homem que apoia nossas causas é o mesmo que ainda senta no sofá depois do almoço enquanto sua namorada, mãe, tia, etc. lava a louça. É o mesmo homem que pergunta para a esposa: “Quer ajuda?”… Oi?


Por Maria Betânia dos Santos Chaves.
 

Maria Betânia é bióloga, formada na FEUC e foi conselheira tutelar por mais de cinco anos em São José do Rio Pardo. Escreve sobre direitos humanos.

Mais artigos de Maria Betânia dos Santos Chaves

30/05/2021 - História do feminismo no Brasil - Parte I


30/05/2021 - A ditadura do corpo perfeito


22/05/2021 - Mulher, empodere-se!


13/05/2021 - A origem do Dia das Mães


13/05/2021 - Síndrome do desamparo aprendido


13/05/2021 - Dia Nacional da Mulher


13/05/2021 - A pandemia gera retrocesso na busca por igualdade de gênero


17/04/2021 - O autismo no feminino


20/03/2021 - Leis que toda mulher precisa conhecer


13/03/2021 - Dia Internacional das Mulheres























Jornal Democrata
São José do Rio Pardo e Região
Whats 19 3608-5040
Tel.: 19 3608-5040

Siga-nos nas Redes Sociais

contato@jornaldemocrata.com.br