SÃO JOSÉ DO RIO PARDO E REGIÃO – ANO 34



Salvação eficaz

17/01/2021 - por Thiago da Silva Vieira

Mudanças estão ligadas às coisas deste mundo criado por Deus. O tempo passa e logo trazem consigo mudanças em diversos aspectos. Sendo assim, nós, como sendo parte da criação, estamos condicionados ao tempo. Mudamos diariamente, tanto fisicamente quanto espiritualmente. Envelhecemos, cabelos brancos surgem mostrando que não temos o poder de adiar esse processo pelo qual todos devem passar. Gostamos de algumas coisas hoje, porém, amanhã, desgostamos. Nesse contexto não podemos ter a plena certeza do que acontecerá conosco em relação a muitas coisas, apenas a certeza de que haverá mudanças (Tg 4:13-16). E quanto à nossa vida espiritual? Será que manterei minha fé viva nos próximos anos? E se eu pecar gravemente, Deus deixará de me amar?


É evidente que muitos sofrem com pensamentos errados de que Deus deixa de amar os seus filhos, ou os ama mais, ou os ama menos, conforme o nosso “desempenho”, logo, vivem com temor de perder a salvação, são escravos do medo. Oram, leem a Bíblia, louvam e obedecem, não por ter prazer em agradar a Deus, mas por medo de serem condenados por Ele. A vida cristã para eles é um peso e não uma alegria, como se Deus fosse um tirano cósmico que os fulminará na primeira oportunidade que eles pecarem. Infelizmente, essas pessoas creem que nesta vida nunca podem descansar na segurança de sua salvação. Dessa forma, permanecem assim, até que morram, e com isso, provavelmente, nunca saberão se conseguiram ser amadas por Deus perfeitamente.

Inquestionavelmente, essa é uma falsa visão acerca do relacionamento entre Deus e seu povo.


A salvação não é uma obra humana; desse modo, ela não depende do nosso desempenho para que venha a acontecer. Pelo contrário, se dependessemos de nossas boas ações para sermos salvos, não precisaríamos de um Salvador, pois seríamos os nossos próprios “salvadores”. Sendo assim, Cristo teria morrido em vão. Como somos seres mutáveis, inconstantes, depender de nós mesmos é viver em incertezas, escravos de nós mesmos e fadados ao fracasso.


Diferentemente de nós, Deus é imutável, Ele não está condicionado ao tempo. Seus planos e Sua vontade não mudam. Nós planejamos, mas não temos o poder necessário para realizar todos os nossos planos, porém Deus é todo-poderoso, tudo o que Ele quer Ele faz acontecer.


Isso significa que se dependermos de Deus como nosso Salvador podemos ter a certeza que Ele nos manterá salvos até o fim. Se Deus tem um plano para aqueles que creem em Jesus Cristo, segue -se que toda mudança em nós contribuirá para cumprir o maravilhoso plano de Deus.


Segundo a Escritura, a fé é dom de Deus. É Deus quem nos salva. Seu amor não depende de nossas ações temporárias. O amor de Deus não é causado por alguma qualidade que Ele encontra em nós. Não há nada que um ser humano faça que tenha o poder de atrair o amor de Deus. Ele nos amou em Cristo, na eternidade, antes de termos praticado qualquer ação. Sendo assim, nenhum ato do homem pode anular o amor de Deus. Nossa salvação é segura e imutável porque é dom de Deus, não mérito nosso.


O Evangelho é Deus dando por amor seu Filho unigênito, Jesus Cristo, para morrer em lugar de pecadores. Nosso relacionamento com Deus é possível porque Cristo viveu uma vida perfeita, sendo obediente até a morte em nosso lugar. Ele é o Filho amado em quem Deus Pai se agrada. Pela fé em Cristo, Deus se agrada de nós e nos aceita como filhos. A salvação é pela graça, não por nossas obras. Isso significa que o amor de Deus por nós, crentes, não aumenta nem diminui, não é ganho, nem perdido por nossos esforços. O amor de Deus é gracioso, não é conquistado por nós. O amor de Deus é eterno, não tem início nem fim. 


O amor de Deus é imutável e perfeito, não aumenta nem diminui, não é aperfeiçoado, nem se torna imperfeito. É incondicional; Ele não deixa de nos amar quando falhamos e nem ama mais quando acertamos, pois o amor de Deus está condicionado ao amor que Ele tem por Cristo. Se o Pai ama o Filho eternamente, Ele amará os que creem no Filho eternamente. Não depender de nossas obras não significa que podemos viver no pecado, pois o amor de Deus é transformador.


Ele nos ama tanto que quer que sejamos parecidos com Seu Filho, Jesus Cristo. Aqueles que Deus ama Ele não abandona na prática do pecado, pelo contrário, os torna perfeitos. A salvação é obra de Deus do início ao fim, Deus nos escolhe, nos chama, nos justifica e adota, nos conduz à santificação que é a transformação espiritual do nosso ser conforme a imagem de Jesus Cristo (Rm. 8: 29-30). Essa transformação não é realizada por nós, mas por Deus trabalhando em nós e através de nós. Como diz Paulo: “porque Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade” (Fp 2.13). 


Porque a salvação depende somente do poder de Deus; nenhum dos que foram escolhidos por Deus na eternidade se perderá no tempo, todos irão para a glória celestial (Jo: 10.27-31). Quando Deus consumar a obra da salvação, quando estaremos no novo céu e na nova terra, haverá uma multidão de pessoas semelhantes a Cristo. Ele será glorificado como o primogênito, o glorioso, entre muitos irmãos. Nós seremos semelhantes a Ele (1Jo3.2). Esse é o maravilhoso plano de Deus para os crentes. Nada poderá frustrar esse plano (Rm8:29). Portanto, a obediência do cristão não deve ser motivada pelo medo, e sim por amor a Deus. Pois “Nós o amamos porque Ele nos amou primeiro” (1 Jo: 4.18 - 19). Não devemos temer as mudanças; nós mudamos, mas Deus não muda. Estamos em constante mudança a cada dia, mas essas mudanças são Deus nos conformando à imagem do Seu Filho, Jesus Cristo. Você já desfruta desse amor? Já se arrependeu dos seus pecados e creu em Cristo como seu Senhor e Salvador?

 

Por Thiago da Silva Vieira
 

Mais artigos de Thiago da Silva Vieira

13/05/2021 - A necessidade da família


13/05/2021 - Causa pela qual vale morrer


13/05/2021 - O desejo de morrer e o sentido da vida


17/04/2021 - Chegou a sua vez de sofrer


20/03/2021 - Nossa esperança na pandemia


13/03/2021 - A Maravilhosa Graça de Deus em meio ao pecado


06/03/2021 - Livre arbítrio - Parte II


26/02/2021 - Livre arbítrio - Parte I


13/02/2021 - Pobres e felizes


06/02/2021 - Qual deve ser a atitude do cristão em relação aos falsos mestres?























Jornal Democrata
São José do Rio Pardo e Região
Whats 19 3608-5040
Tel.: 19 3608-5040

Siga-nos nas Redes Sociais

contato@jornaldemocrata.com.br